LGPD será fundamental para open banking, avalia advogado

Segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.

A plataforma open banking, que permitirá a troca de dados e informações de todos os clientes de bancos com todas as empresas do setor financeiro, deverá ser implantada pelo Banco Central do Brasil em quatro fases ao longo desse ano.

Na avaliação do advogado Nelson Freitas (LEMOS Advocacia Para Negócios), LGPD terá papel fundamental na implantação dessa plataforma, já que um dos principais objetivos é garantir a transparência na utilização e proteção de dados de pessoas físicas.

O advogado explica que com o open banking, as instituições financeiras terão que compartilhar os dados de seus clientes com concorrentes, somente após autorização expressa do consumidor. Uma das vantagens dessa plataforma é que os consumidores poderão reunir em um único lugar dados de todas as contas, investimentos e serviços.

A ideia é que com a possibilidade do compartilhamento de dados da vida financeira das pessoas, mais fintechs entrem no mercado, ofereçam vantagens a esses clientes, concorrendo assim com os grandes bancos.

Nelson Freitas afirma que atuação da ANPD – Autoridade Nacional de Proteção de Dados terá papel fundamental na implantação dessa nova plataforma.

“O consumidor terá que dar o expresso consentimento para que seus dados financeiros sejam compartilhados com outra instituição financeira. Mas como se dará isso? Pode ser por escrito? Será através de aplicativo?  A validade desse consentimento inicialmente seria pelo período de doze meses, podendo ser revalidado pelo seu titular. Os dados compartilhados com uma instituição financeira, após o encerramento da relação comercial entre as partes, deverão ser eliminados e a instituição apresentar documento comprovando essa operação. Todas essas questões ainda abertas, que deverão ser regulamentadas pelo Banco Central, durante as fases desse processo, também remetem à proteção de dados pessoais, amparada pela LGPD.”

O especialista salienta que o consumidor pode a qualquer momento, pedir que seus dados que estão em poder de qualquer empresa sejam eliminados. Da mesma forma ele deve ser protegido em relação a possíveis vazamentos ou uso indevido dessas informações.

“Nossa preocupação é que os vazamentos de dados na internet têm crescido. Frequentemente temos notícias de milhares de pessoas que tiveram seus dados vazados sem o seu consentimento. A LGPD atua justamente para proteger e fiscalizar o sigilo dos dados pessoais, penalizar os infratores e reparar possíveis danos. Entendo que na implantação do open banking, essa legislação deverá ter um papel estratégico para o sucesso desse novo modelo de regras para compartilhamento de dados financeiros das pessoas.”

Fases

O advogado do Lemos informa que o modelo open banking é adotado desde 2018 no Reino Unido. No Brasil, a implantação será dividida em quatro fases, ao longo de 2021. O Banco Central já iniciou a primeira fase de implantação, que consiste no compartilhamento da prateleira de produtos, serviços disponíveis e taxas.

Na segunda fase, a partir de 15 de julho, as instituições estarão aptas a compartilhar – nome, CPF, CNPJ, endereço, telefone e informações sobre a conta corrente e operações financeiras. Na terceira fase, a partir de 30 de agosto, ocorrerá o início das transações de pagamentos e transferências bancárias. Nessa fase, as instituições poderão compartilhar os dados, desde que com a autorização dos seus titulares. A partir de 15 de dezembro, na quarta e última fase, todas as operações poderão ser compartilhadas. A supervisão de tudo o que for compartilhado será feita pelo Banco Central.

Fonte: Migalhas

Os comentários estão encerrados.

Suporte
WhatsApp chat